Macnica DHW - Newsletter Macnica DHW - Newsletter


MERCURIO IV, HELIO SoC E SATURNO

Placas aceleram desenvolvimento de produtos e ajudam a aprender

Envolvida em um processo de divulgação de suas placas Mercurio IV, Saturno e Helio SoC, a Macnica DHW vem atuando junto aos meios acadêmico e empresarial para mostrar as funcionalidades e possibilidades de utilização dessas plataformas.  Todas as três placas de desenvolvimento utilizam FPGA (lógica programável), sendo indicadas para vários segmentos.

Segundo o gerente de Pesquisa e Desenvolvimento da Macnica DHW, Fernando Souza de Andrade, quando se utiliza uma plataforma pronta, o tempo de desenvolvimento de um produto acaba sendo reduzido."Quando eu estiver desenvolvendo um projeto em FPGA para fazer um produto, precisarei criar a minha própria placa e introduzir nela o chip de lógica programável. Isso toma tempo e é um pouco complexo. Então, para fazer meus testes, é preferível usar uma plataforma pronta, o que torna tudo mais fácil e confiável", explica.

Quando se tem uma plataforma pronta, basta apenas embarcar o código de FPGA produzido e utilizá-la para testar o chip. De forma genérica, se não der certo, o problema não é da placa, é do código.

Outro uso possível para as placas é o aprendizado da tecnologia FPGA. As plataformas são úteis, tanto para o meio acadêmico quanto para as indústrias, já que permitem que se tenha um conhecimento mais pleno da tecnologia de lógica programável.

Saturno

A placa Saturno é um produto de altíssima qualidade dirigido a aplicações que exijam grande performance de processamento de dados. Trata-se de uma placa de 20 camadas com Stratix V GX – na qual se utiliza o maior e mais rápido dispositivo FPGA Altera - que foi criada para processar o máximo de dados e apresentar a máxima performance de comunicação.

Trata-se de uma das mais poderosas plataformas baseadas em FPGA que existem no mundo. Ela praticamente não tem interface visual com o usuário, mas tem interfaces ópticas que permitem conectar uma placa em outra a até 56 Gb/segundo. Ao mesmo tempo, posso conectá-la a um PC, para troca de dados, a uma velocidade de 10 GB/segundo. Além disso, ela possui internamente seis bancos de memória DDR3, cada banco com 8 GB. A família de FPGA utilizada na placa é a Stratix V, uma das mais evoluídas do planeta. 

O foco desta placa é processamento maciço de dados. Por exemplo, uma análise meteorológica, exige uma quantidade de dados gigantesca. Se o processamento desses dados for feito por meios tradicionais, pode demorar dias semanas ou meses, dependendo da complexibilidade da análise. Numa placa dessas, demoraria apenas alguns segundos ou minutos. Esta plataforma tem uma interface para conversar com o micro (PCI Express) e mais quatro interfaces ópticas para conversar com outras placas através da formação de clusters, já que às vezes o problema a ser resolvido é tão grande que não cabe em uma placa.

 

A Saturno foi originalmente desenvolvida pela Macnica DHW para um cliente do setor de gás e óleo, para substituição de seus clusters de processamento baseados em Unidades de Processamento Gráfico (GPU), para o processamento de grande quantidade de dados de imagens de ruídos sísmicos. Essa placa pode ser utilizada em aplicações que exijam processamento de dados e cálculos matemáticos mais aprofundados.

Mercurio IV

A Mercurio IV é uma placa para quem está começando. Trata-se de uma plataforma mais simples, mais amigável do ponto de vista de interfaces, já que apresenta mais botões, mais LEDs, interface para vídeo, para rede, USB, conexões de expansão e conversores para entrada e saída de sinais analógicos.  Tudo isso junto faz da plataforma algo muito versátil. É para uso genérico.

Essas interfaces, na verdade, ajudam a pessoa a visualizar o que ela está fazendo. Normalmente não são as plataformas mais poderosas do ponto de vista de velocidade de processamento ou de velocidade de troca de informações de memória, ou mesmo de densidade. Mas são extremamente úteis para quem está iniciando, já que poderá explorar essa tecnologia da melhor maneira possível. Esse é o objetivo. Pode ser usada tanto pelo meio acadêmico quanto pela indústria. É uma placa de custo mais baixo.

 

Helio SoC

Já a Helio é uma placa de baixo custo, que usa um componente da família de FPGA Altera, o Cyclone V SoC, sendo intermediária em relação às outras duas.  É uma placa SoC, ou seja, 80% do silício é FPGA, mas há uma parte dele que foi separada para se instalar um processador ARM Cortex A9 dual-core. Essa placa foi criada no Japão, com a finalidade de ser mais flexível e para permitir o desenvolvimento de mais sistemas embarcados.